Pular para o conteúdo principal

7 Táticas para conversar sobre futebol

Comentário deste blogue: estas dicas são muito boas para quem não curte futebol e convive com pessoas que exigem o gosto por este hobby pr manter amizades e benefícios sociais.

Autor do texto: Danilo Barba - Site Area H
Sobre Danilo Barba: Danilo Barba é músico e jornalista pós-graduado em Negócios Internacionais pelo George Brown College de Toronto. Bloga sobre Sexo Oposto no Yahoo Mulher. No Insta e Twitter: @dambarba

Acompanhando os jogos da Copa América? Indignado com a punição de Neymar? Acha que Fernandinho e Elias têm potencial muito maior do que apenas armar jogadas para artilheiros? Enquanto muitos adoram falar ativamente sobre tudo que envolve futebol ou esportes, outros morrem de tédio. Em nome dessas pessoas, Dave Holmes, respeitado escritor norte-americano e colunista da Esquire, sugeriu um guia para salvá-las do tradicional papo esportivo. “Existem alguns truques que você pode usar para ninguém pegar no seu pé só porque você não liga para esportes”, garante ele. E você, acha que consegue dar o chapéu em quem adora falar de futebol? Tente os passos a seguir e veja se funciona pra você!

1. Faça um comentário e peça licença em seguida 
Se você perceber que a galera está reagindo a alguma coisa que acabou de acontecer na TV, esse é o melhor momento para se envolver. Diga alguma coisa, mesmo que seja algo que você ouviu o apresentador falar, só que com mais ênfase – tipo, “foi um p**a lançamento” – e deixe o ambiente logo antes que alguém se habilite a travar conversa sobre o que você fingiu observar. Entonação é tudo aqui. 

2. Não largue a sua cerveja (e aproveite as faltas)
Após alguns drinques não é muito difícil fazer alguns comentários sobre coisas minusculamente pequenas na mesma pegada de narrador de TV (só não precisa bancar o Galvão Bueno gritando ‘é tetra, é penta’, etc). Se rolou falta na área ou a disputa foi para os pênaltis, é gol pra você: use a ocasião para arriscar comentários mais profundos sobre futebol. Geralmente, rola um nervosismo silencioso de torcedores aflitos – enquanto não der trave, rebote, linha de fundo ou rede, quase ninguém vai te ouvir de verdade. 

3. Livre-se de roupas e bonés de times 
Se um dia você já saiu com uma camisa de time na rua sabe que as provocações podem aparecer dos mais variados cidadãos – imagine então entre amigos. Camisa de time é tipo um contrato tácito de conversa amigável sobre esportes com pessoas que você não conhece direito.  Deixá-la em casa é o primeiro passo para manter a vantagem nesse jogo. Afinal de contas, um bom papo vai muito além de futebol, esportes e competições.

4. Aposte uma grana se for preciso 
Você tem dificuldade pra gravar nomes, jogos, datas e se interessar por futebol? Experimente fazer uma aposta – o medo de perder qualquer quantia por conta do resultado de um jogo pode servir de grande incentivo.  Não que a jogatina seja um remédio para o desapreço por futebol, até porque há muitos impostores neste meio – que podem não manjar nada de bola, mas têm anos de experiência em rapinagem. Dave Holves tem uma teoria: “qualquer pessoa que fique nervosa demais com esportes quase sempre tem uma grana indo para o beleléu por aí.”

5. Evite dizer em voz alta que um jogador é ruim  
Às vezes você pode querer criticar um jogador só porque ele é do time oponente ao que a galera em volta está torcendo. Mas essa tática pode sair pela culatra! Mesmo que você não goste de futebol, só pelos noticiários dá pra perceber que jogadores vivem trocando de time como trocam de cueca. Ou seja, o atleta pode já ter passado pelo time adversário em algum momento, ou “é muito querido” na comunidade de alguém. De repente, você pode se ver envolvido numa discussão perdida, em que seus argumentos vão acabar rápido. Além do mais, jogadores que chegam a aparecer na TV quase sempre têm algum talento.

6. Descubra uma fofoca e invista nela até cansar  
Você sabia que a loira misteriosa que acompanhou Neymar na Espanha é uma blogueira gaúcha de 20 anos chamada Martina Ritter? E que a gata bomba nas redes sociais? Não? Então é porque você não me ouviu nas últimas 48 horas, desde que um amigo contou essa história e eu simplesmente a escrevi num pedaço de papel. O mais engraçado é que até Neymar partir para a próxima pretendente eu com certeza já esqueci tudo isso.

7. Se tudo falhar, desista 
Não gosta de futebol? Tudo bem, eu também não. A vida é curta e, ao que parece, os esportes estão indo bem sem a gente. E o que importa no fim das contas? Por acaso você quer ser aquele cara fanático que fica gritando groselhas na janela toda vez que estiver rolando um jogo na TV? Não deixe ninguém colocar sua masculinidade em xeque sob o argumento de que “homem que é homem tem que gostar de futebol”.  Gente que faz isso é um porre completo e não merece sua atenção.

Comentários