Seguidores

domingo, 30 de junho de 2013

Faltou completar o dever cívico!!!

Os protestos ocorridos nas últimas semanas foram um importante marco para a sociedade como um todo. Do nada, os brasileiros resolveram se conscientizar e lutar pelos seus direitos básicos, não um, mas todos. Foi lindo ver multidões gigantescas lutando por um país melhor, como não se via há 45 anos.

Mas tudo isso foi por água abaixo hoje. Como o drogado que não larga seu ópio, o brasileiros retomou o gosto pelo futebol e hoje irá em massa "apoiar" a "seleção" na final da copa das confederações, nome dado ao aperitivo do evento que ocorrerá no ano que vem. 

Ingenuamente acreditando estar completando o dever cívico dos protestos, as pessoas que decidiram dar o seu "apoio" à 11 analfabetos enriquecidos sem estudo, na verdade estão fazendo o contrário. Agem como o aluno que decidiu interromper o seu dever de casa para ir brincar, não completando a tarefa exigida por seu professor na escola.

Seria ótimo se nenhum brasileiro fosse ao Maracanã hoje. Esta forma de protesto seria ainda mais eficiente que os protestos que estavam acontecendo. E seria ao mesmo tempo um protesto sem violência, sem vandalismo, mas com a agressividade necessária para irritar os poderosos que estragam a vida da população com a sua incompetência administrativa e com os atos de corrupção.

Esquecem os brasileiros que ir hoje assistir ao jogo é tudo que as autoridades corruptas querem. Autoridades fazem de tudo para que o fanatismo do futebol, que além de iludir os brasileiros, enriquece financeiramente os já muito ricos poderosos, seja mantido e estimulado. Esquecem os brasileiros que ir ao jogo, num momento como esse, do contrário do que imaginam, é recusar o verdadeiro patriotismo, acreditando que uma forma de lazer irá trazer dignidade ao país.

Isso é a maior prova de infantilidade de nosso povo, algo que precisa ser eliminado de nosso caráter. Futebol é apenas uma diversão e nunca pode ser mais importante do que outras coisas. Ou acham que correndo de um lado para o outro no recreio é que as crianças aprenderão a ser profissionais competentes?

Bola fora da população brasileira, para usar um jargão futebolístico. As autoridades corruptas estão muito felizes hoje, pois com a boa audiência para o jogo, seja nas TVs ligadas ou no Maracanã lotado, o trabalho iniciado pelos protestos foi bruscamente interrompido para que o verdadeiro patriotismo desse lugar ao falso patriotismo, ilusório, infantil e que sempre fez a alegria dos poderosos que nunca se recusam em gastar rios de dinheiro para alimentar essa farsa chamada "patriotismo de chuteiras", algo que deveria ser apenas uma diversão, mas sendo "dever cívico" acaba por cegar a todos.

Infelizmente, perdemos a oportunidade única de irritar de fato as autoridades. Se até ontem fizemos o que eles não queriam, hoje decidirmos satisfazer a vontade dos poderosos, acreditando estar cumprindo um dever. Não tem jeito colocar brincadeira no lugar de assunto sério é uma vocação do brasileiro. Como sinal de  imaturidade, isso irá desaparecer um dia. Pensei que estava desaparecendo. Agora não se sabe quando o tolo fanatismo do futebol irá desaparecer.

Não foi desta vez que o "gigante" acordou. Hoje retoma o seu soninho, sonhando com mais uma inútil "conquista" da "seleção". Que definitivamente não é uma conquista para a sociedade brasileira.

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Amarelão amarela diante protestos e se dá mal

Os protestos acontecidos em todo o país pegaram os organizadores da copa e os jogadores ex-jogadores de surpresa. Acostumados a tratar o futebol como prioridade e esperar adesão maciça de quase toda a população ao esporte, foram surpreendidos com o desprezo de grande maioria da população e hostilidade por parte de algumas pessoas. Finalmente, o futebol deixou de ser visto como dever cívico, o que de fato ele nunca foi, a não ser para as mentes mais alienadas.

Como falei antes, é de interesse dos organizadores e patrocinadores da copa que o futebol seja confundido como dever cívico porque transforma o futebol em obrigação, garantindo lucros, além de imobilizar a população que ocupada com o "dever", esqueceria outros deveres. O que desta vez não aconteceu.

E essa surpresa deixou perplexos os jogadores (que preferiram a silenciosa omissão) e irritados a comissão técnica (que incluía ex-jogadores). Pelé e Ronaldo, ao invés de apoiar os protestos preferiram dizer bobagens que irritaram ainda mais a população. Blatter, capo da FIFA, queria obrigar a população a largar os protestos e ir assistir ao futebol.

Na ânsia de querer que a população aderisse aos chamados de jogadores, "cartolas" e comissão técnica, o tiro saiu pela culatra, pois revelou um caráter antipático do  mundo futebolístico, até agora somente percebido por quem nunca curtiu futebol.

Não sabemos o que será daqui em diante. Certo que o futebol não será mais o ópio do povo, deixando de ser uma obrigação pseudo-cívica para ser uma forma de diversão, verdadeira finalidade do esporte. Os que nunca gostavam poderão parar de fingir que gostam em épocas de copa. Os que nem em copa gostavam de futebol poderão ficar tranquilos, pois a algazarra dos fanáticos será menos ruidosa.

O que se sabe é que a longa festa de Cinderela que durou décadas no Brasil acaba de se encerrar. E toda a magia postiça desse esporte monótono de regras simplórias sumiu feito fumaça.

A verdadeira graça do futebol, que é o de ser uma forma de diversão legítima, é retomada e ninguém mais será obrigado a ostentar um time na carteira de identidade para ser incluído socialmente.

Tudo que eu havia falado antes acabou acontecendo. Como uma Cassandra de Troia, eu não fui ouvido. Mas foi o belíssimo cavalo abrir suas comportas que tudo mudou. 

Mas, entre mortos e feridos, salvaram-se todos. Principalmente o Brasil, o país. Aquele que não depende da vitória no futebol para alcançar a felicidade.

domingo, 23 de junho de 2013

Porque é importante odiar a "seleção"

A onda de protestos que varre o país mostrou, entre outras coisas uma indignação com os gastos da copa. Muitas pessoas passaram a criticar o fanatismo futebolístico (em alguns casos, com exagero, é verdade), enquanto os defensores da "seleção" tentavam ainda manter intacto o laço artificial que une o futebol ao patriotismo.

Mas uma coisa é certa. Futebol é apenas lazer e para isso que foi criado. Nada tem a ver com patriotismo (isso é invenção da mídia, tradicionalmente aceita pela população, pelo menos até esta semana) e nunca deve ser priorizado diante assuntos bem mais sérios. Priorizar o futebol é o mesmo que achar que correr no pátio durante o recreio é mais importante que estudar na sala de aula.

Isso não significa que devemos deixar de gostar de futebol. Mas devemos sim, parar de levá-lo a sério e entender que se trata de uma forma de diversão, e nunca um dever cívico que faça as pessoas perderem seus focos. É imaturidade colocar uma simples brincadeira como motivo de "orgulho nacional". Dever nacional mesmo é odiar essa "seleção" corrupta, com jogadores exageradamente remunerados, "cartolas" que mais parecem mafiosos e patrocinadores e mídia que querem obrigar a todos a gostarem de futebol.

Mas e a "seleção" e seus jogadores, o que tem a ver com essa revolta? Embora muitos de seus defensores achassem bom poupar os jogadores das críticas, os fatos mostram que é bom mesmo odiá-los. 

Tachados durante décadas e décadas como "heróis da pátria", os jogadores na prática nunca agiram como tais. A cada geração de jogadores, fica mais clara a verdade de que eles nada tem a ver com patriotismo. E muitos deles agem justamente o oposto do que se espera de um herói. E diante dos protestos populares, reagiram conforme os heróis de verdade nunca fariam: se omitindo, por medo.

E as declarações dadas por ex-jogadores, técnicos e dirigentes pioraram ainda mais as coisas, levando ao extremo de um ônibus que conduzia os jogadores ser apedrejado em Salvador, onde jogou ontem. Agredir a "seleção" quando ela ainda está em alta, vencendo jogos, é algo nunca imaginado até esta semana. 

Mesmo exagerado, o ato mostra que a população já não cai mais nessa falácia de que futebol é patriotismo e que os jogadores são nossos heróis. Essa mania infantil de definir como nosso maior orgulho uma forma de diversão é algo muito imaturo. Era preciso amadurecer a população, estimulando-a a se envolver em assuntos mais sérios.

Os jogadores de futebol sempre simbolizavam a falsa felicidade brasileira. Uma felicidade que existia só na teoria, como os contos de fadas que ouvíamos nas nossas infâncias. Tido como símbolo máximo da alegria do brasileiro, o futebol nunca passou de uma fuga para os problemas reais da sociedade e seus jogadores, embora idolatrados como heróis, nunca se preocuparam de fato (a não ser uns poucos, mas fora dos gramados) com a situação sócio-econômica de seus admiradores.

E para piorar as coisas, os jogadores  não são um bom exemplo para a população. Com maior parte nascida nas favelas, pulam das classes mais baixas para as mais altas num piscar de olhos e empolgados com a riqueza repentina, conseguida sem o estressante processo de estudo que tanto angustia a maioria dos brasileiros, ostentam a sua riqueza com casas caras, carros caros e mulheres lindíssimas. O exemplo recente, Neymar, apesar de jovem, nada fez para mudar a regra, repetindo os mesmos erros de gerações passadas. Como ter como herói um cara que não serve como bom exemplo?

E essa revolta mostra que a ilusão acabou. A carruagem já virou abóbora bem antes do baile (copa de 2014) começar. Os jogadores, príncipes com cara de sapos, passaram a ser só sapos. Não servem para representar ninguém, nem mesmo para a brincadeira que o futebol é de fato.

Esqueceram de avisar aos jogadores de que a festa acontecia bem longe deles. Uma festa bem real onde ninguém vira príncipe ou sapo: vira gente de verdade, conscientizada do seu papel na sociedade.

sábado, 22 de junho de 2013

A vingança doce da Rede Globo

A Globo não gostou nadinha do desprezo que a "seleção" recebeu no último jogo, ocorrido na quarta-feira. Apesar de ter ganho o jogo, não houve qualquer tipo de comemoração, já que a população estava ocupada, envolvida com os protestos. A audiência do jogo (que garante o dinheiro publicitário pago à emissora) foi muito aquém do esperado, bastante reduzida.

Como a Globo, que além de acionista da CBF é a maior interessada em firmar a confusão entre futebol e patriotismo, o que garante muitos lucros financeiros, certeiros e inadiáveis, não estava a fim da extinção do fanatismo futebolístico, decidiu apelar de forma criativa para tentar manter acesa a chama confusa que mistura esporte e amor pátrio: reunir os torcedores em mesmo lugar para um evento multimídia gratuito que inclui a transmissão do jogo "Brasil x Itália" a acontecer daqui a pouco em Salvador. Só que o dito evento ocorrerá no RJ. Não fui informado se outras capitais farão o mesmo.

É uma tática esperta da Globo, que sempre quer ficar com a última palavra, logo a mesma rede que conseguiu esvaziar as manifestações após muita ênfase nos poucos vândalos, apelando para a psicologia do medo, já que os Marinhos, donos da emissora, como todo burguês, quer que as coisas fiquem como estão, com todos os problemas, injustiças intactos, a serem "resolvidos" apenas com paliativos e ilusões, o que não muda nada com coisa nenhuma.

Resta saber se o tal evento será visto pelos torcedores como mera diversão ou será a retomada do narcotizante fanatismo futebolístico que confunde "seleção" e nação, diversão e dever cívico.

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Futebol é patriotismo? NÃÃÃÃÃÃOOOO!!!!!!

Não somente autoridades, mas também a mídia e setores mais conservadores da sociedade ficaram com o rabo encolhido, sem saber como reagir ao comportamento inédito da população brasileira, que preferiu trocar a ilusão do futebol pela realidade da luta por melhores condições de vida.

A grande mídia ainda se esforça e vai continuar se esforçando para tentar manter acesa a chama do suposto amor popular à "seleção", considerada pelos seus defensores como símbolo cívico da nação. O que de fato não é verdade, já que futebol é somente uma diversão.

Mas associar futebol a patriotismo é algo que favorece e muito os organizadores, patrocinadores ou qualquer dos envolvidos diretamente com o futebol. Transformando em patriotismo, o futebol se torna uma obrigação e como tal, significa lucro garantido com absoluta certeza. Os envolvidos com futebol contam com os lucros financeiros vindos dessa obrigatoriedade. Por acreditar estar beneficiando a pátria, até então, pessoas gastavam dinheiro e geravam audiência a eventos esportivos, sem recusar e sem medir esforços ou gastos, o que fazia com que uma gorda fatia de dinheiro chegasse de modo garantido às mãos dos envolvidos.

Os protestos mostraram uma repentina maturidade do povo brasileiro, que descobriu que uma forma de lazer, uma simples brincadeirinha, não pode ser considerada como dever cívico, resolveu focar sua atenção a coisas mais sérias, que tragam benefícios reais a toda a sociedade. Os envolvidos com futebol, que lucravam com essa falsa unanimidade, ficaram revoltados com o desprezo da população e reagiram da pior forma, fortalecendo o desprezo e mostrando a verdadeira cara da CBF, da FIFA e de seus jogadores (que do contrário que seus defensores dizem, tem muito a ver com a CBF, pois são funcionários dela, pagos com a grana dos patrocinadores que sustentam a entidade), interessados muito mais nos lucros financeiros resultantes do fanatismo até então estimulado pela falsa ideia de o futebol é a única coisa onde que somos os melhores.

As declarações que disseram que deveríamos esquecer as manifestações e torcer pela "seleção", metaforicamente soam como "não estude, a brincadeira do recreio é mais importante!", o que representa claramente um sinal de imaturidade e de medo da realidade. Futebol, além de ser uma diversão, em nada serviu (e nem servirá) de benefício aos brasileiros. A "seleção" é campeã 5 vezes (a última, de forma fraudulenta) e isso em nada serviu para melhorar o nosso cotidiano. Pelo contrário, por ser somente lazer, estimulou a alienação e a inércia, além de servir de esconderijo para os cidadãos que se recusavam a lutar por melhores condições de vida.

Mas agora as mudanças começam a ocorrer. A população brasileira abandona a infância e encara agora a sua puberdade. O futebol prepare-se a retomar  a sua vocação original, puramente lúdica, deixando de ser vista como um dever cívico, para a alegria da população, que agora continuará curtindo futebol, mas com o real prazer de uma verdadeira diversão, sem a prótese patriótica que há anos tentaram embutir a sadia modalidade esportiva.

quinta-feira, 20 de junho de 2013

A verdadeira derrota do futebol brasileiro

Ontem um outro fato marcante que pode representar um divisor de águas no cotidiano brasileiro. Apesar de ter vencido de 2 a zero, a "seleção" amargou a sua pior derrota: o desprezo de boa parte da população e o fim da crença na suposta unanimidade do futebol no gosto das pessoas. Enfim a democracia chegara ao entretenimento esportivo.

Galvão e sua equipe, incluindo o (ainda) rotundo e mais burro Ronaldo, estava visivelmente abatida e apesar da vitória dos amarelos, não conseguiam esconder a decepção de uma vitória sem festa. Como disse um amigo do Facebook, a população estava ocupadíssima com algo bem mais importante. Até mesmo Milton Neves, da Band, estava visivelmente desconsolado, pois a emissora se afina com a Globo no proselitismo futebolista e na atrelagem a cartolas.

Para piorar, Pelé fez um vídeo convocando a população a trocar as passeatas pela torcida pela "seleção", algo que pegou muito mal para ele, que teve que se desculpar depois com uma mensagem ambígua e que ninguém conseguiu engolir. Balatter, "capo" da FIFA, deu declaração similar, mas claramente zangado e sem iniciativa de pedir desculpas.

Felipão, antes do jogo, havia dito que a "seleção" era o "povo" e a indignação foi publicada recentemente aqui neste blogue. Quem conhece os bastidores da CBF e a índole dos jogadores se revoltou com razão contra as declarações do técnico. Todos sabem que os jogadores, muito mais para palhaços de circo do que para "heróis da pátria", não passam de uns meros moleques vindos das favelas (nada contra favelados, mas temos que reconhecer que grande parte é tantã) e que enriqueceram de uma hora para a outra, sem saber o que fazer com as gordas fortunas recebidas.

Para coroar o festival de declarações infelizes no intuito de salvar a manutenção do fanatismo futebolístico, o ex-jogador Ronaldo, o Gordômetro, falou que copa não se faz com hospitais, como se fosse mais importante realizar a copa do que cuidar da saúde da população. Declaração infeliz que irritou até quem adora futebol.

E porque eles querem tanto que o futebol seja uma unanimidade (ou quase)? Simples: unanimidade significa um gigantesco número de pessoas, que por sua vez sugere um lucro financeiro garantido, que será recebido com muita certeza. A mídia sempre estimulou o fanatismo alienante no intuito de confundir futebol com dever cívico, pois transformando em obrigação, forças-se a população a gastar em prol do futebol ou em produtos patrocinantes, garantindo a renda que faz da CBF uma das empresas mais ricas do país.

E essa expectativa de grana garantida poderá ir para o ralo se a população se "desertar" em massa desse "dever cívico". É muito dinheiro que deixa de entrar para os bolsos dos envolvidos. 

Tolice e imaturidade transformar uma simples forma de lazer em "dever cívico" e "orgulho nacional". Quem tem o discernimento sabe muito bem que o futebol é muito mais divertido e agradável se estiver totalmente despido desse estigma de esporte "patriota". Charles Miller, quando trouxe o futebol para o Brasil, não estava pensando em criar um símbolo cívico e sim uma nova forma de diversão. E que mal há em dissociar futebol e patriotismo, duas coisas que nada tem a ver uma com o outra?

Claro que mesmo depois do ocorrido, ainda existe a tentativa, só que mais morna, de tentar chamar a população de volta a cegueira fanática do futebol-civismo. No dia seguinte ao jogo, o programa de Ana Maria Braga, que não é sobre esportes, abriu falando do tal jogo. Talvez por ser um programa feminino, tenha tentado seduzir o público feminino, supostamente considerado mais vulnerável a manipulação midiática do que os homens. Mas até isso está mudando, pois muitas mulheres preferiram os protestos que reivindicavam o bem estar real, não o bem estar fictício prometido pelo fanatismo futebolístico.

Chega dessa patriotada ridícula! Devolvamos o caráter lúdico ao futebol, uma simples diversão que chegou a ter no passado a palavra "diversão" (ludopédio) em seu nome, deixando clara a sua finalidade: de dar diversão às pessoas. Patriotismo é outra coisa e nada tem a ver com uma simples forma de lazer.

Galvão e sua patota estiveram tristes pois a realidade apareceu para eles, através de uma audiência baixa e falta de empolgação e repercussão popular. Pode ser que o brasileiro tenha finalmente decidido abandonar a sua maior chupeta, a do "patriotismo de copa" e entender finalmente que o futebol, como mera diversão, não passa de uma saudável brincadeira, contaminada até ontem pelo vírus do falso patriotismo. E assim seja.

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Felipão não conhece 1% da história...

A grande lição que ficou desses protestos e que se torna um marco importante para a sociedade brasileira é que o povo não está mais alienado. Se cansou do papo furado de que futebol é patriotismo e de que jogadores são "heróis". A mídia ainda tenta forçar a barra em relação a isso, mas agora ficará maia difícil convencer a população de que seu maior orgulho é uma mera forma de diversão.

Felipão, ao comentar os protestos que ocorrem pelo país, deu uma declaração infeliz que pode ajudar ainda mais na impopularidade do futebol, impopularidade que aumenta a cada copa, pois a maneira com que a mídia trata este esporte é nojenta, hipnótica e de extremo proselitismo. Felipão disse que "a seleção é o povo, os jogadores são o povo e que a população não vai se rebelar contra eles". Não vai, senhor Felipe?

O tiro saiu pela culatra e a declaração do técnico fez justamente o que ele não queria, jogar a população contra os jogadores. Fiz uma seleção (seleção, ora essa...) dos comentários publicados no G1, portal da Globo, que na verdade é outro marco, já que até esta semana a Globo considerava o futebol uma unanimidade, o que significava que a publicação desses comentários era considerado uma heresia.

Claro que entre os comentários tiveram vários a favor, mas de uma minoria esmagada. É gente que está feliz com tudo como está, que não consegue dissociar o futebol (uma supérflua forma de lazer) de patriotismo e que não está por dentro do que acontece nos bastidores da CBF, da FIFA e da rotina dos jogadores. Esses comentários não aparecem aqui, assim como os comentários muito óbvios, os muito curtos ou os que desviaram o foco criticando apenas o governo, sem se referir a Copa, a "seleção" ou aos comentários de Felipe Scolari.

Vamos aos comentários, reproduzidos integralmente (desculpem os erros de grafia e pontuação - tive que manter). Esses sim, representam um verdadeiro marco e uma vitória real da população brasileira:

Douglas Rodrigues: Cantem o hino de costas em protesto a corrupção quem for ao jogo!!!

José Araújo: Não venha fazer média Felipão. De povo essa selecinha não tem nada. Tudo europeizado, longe de nossas agruras. Quando passeiam por aqui ficam nos melhores hotéis e longe de suas antigas raízes que hoje renegam. No estádio também se estarão os favorecidos, valos desligar a TV na hora do jogo.

Carlos Júnior: Essa seleção não é do povo nunca. Fui ao hotel ontem e todos os jogadores escondidos. Vários seguranças, inclusive os da fifa tiveram celulares "confiscados" para não tirar fotos dos jogadores. Lanchas da PF e da marinha no entorno do hotel. Torcedores que se hospedaram e não viram jogador nenhum, apenas o "treinador do povo" passando rapidamente para uma participação do bem amigos. Chegou parecendo um ninja sem que ninguém o notasse. Foi embora quase do mesmo jeito, deve ter tirado duas fotos.

Diogo Bordeguini: A seleção é da CBF e não me representa. A CBF é da mesma laia da FIFA e faz convocações em troca de favores. Ninguém é obrigado a torcer por uma seleção que representa uma entidade que vive dizendo por aí que é privada e que não deve satisfação a ninguém. Se é privada, então não tem nada a ver com patriotismo e não se deve fazer este apelo. Chega de papagaiada !!!

Rondineli Silva: Seleção é de qual povo, Brasileiro que não é pois estão sempre blindados, contato nenhum com a nação !!!
 
Luiz Filho: Do Povo?? tá louco Felisono?? Um bando de jogadores sem berço, alienados, vazios e fúteis...povo é o que sai nas ruas para protestar por um Brasil JUSTO, SEM CORRUPÇÃO, SEM IMPUNIDADE, COM LEIS SEVERAS CONTRA CRIMINOSOS, COM INVESTIMENTOS EM SAÚDE, EDUCAÇÃO, TRANSPORTES E INFRAESTRUTURA E NÃO EM ESTÁDIOS....Felipão, pega o Murtosa e vota pra Europa !!!!!

Flatto Feiquim: NÃO COMPREM INGRESSOS PARA OS JOGOS DA COPA. FIFA CORRUPTA!

Ney Neto: DO POVO?????KKKKK SELEÇÃO BRASILEIRA AJUDA A PAGAR SUAS CONTAS???????AJUDA NA EDUCAÇÃO?????????????AJUDA NA SAÚDE???????/ESSA PORCARIA É SÓ UMA DISTRAÇÃO PARA O POVO ESQUECER OS PROBLEMAS QUE ESSA PAÌS ENFRENTA,O BRASIL É O PAÌS MASI CORRUPTO DO MUNDO,ABRE O OLHO GALERAAAAAAA,VAMOS ACORDAR.
 
Jose Marques: O Felipão ta se achando, tá velho e gagá...o povo não deveria ir ao jogo, vamos protestar, essa copa no Brasil roubando o dinheiro do Povo.... esse dinheiro tinha que ser investido em SAÚDE e EDUCAÇÃO....Chega de Roubalheira..... esses jogadores com esses salarios também são absurdos... vamos protestar, não comprem ingressos.... FORA CORRUPÇÃO...

Leticia Susm: Quero ver protesto da seleção amanhã antes do jogo. Quero ver a seleção do povo apoiando o povo!

Edson Simões:A seleção é do povo com salários milionários para os jogadores e comissão técnica, QUE PIADA HEIN.

Fabio Júnior: Pô, Neymar, leva uma camiseta branca contra a PEC 37 por baixo da camisa da seleção, e mostra quando fizer um gol. A seleção tem influência nas outras áreas do Brasil, sim!

José Honório: Alguém lembra do coliseu no Império Romano? Distrair o povo, enquanto roubamos e eles nem percebem.É pra isso que serve a "Copa do Mundo" e é por isso que dizem que a Seleção é do povo...

Luiz Filho: Tudo o que esses vermes corruptos que infestam Brasília querem é que esse medíocre selesono ganhe a copa...Estou torcendo CONTRA !!!!!!

Victor Lima: Seleção é do povo inglês né Felipão? Cobrando absurdos de ingresso nas raras vezes que atua no Brasil.

Safersephiroth: Concordo, futebol eh agregador, supera barreiras de racismos e preconceitos, o problema eh a os meios de comunicação e governo tentando nos manipular usando o futebol incitando rivalidades e preparando espetáculos, para super faturarem, encherem os bolsos e desviarem a atenção do público... Gostamos sim de futebol, mas cansamos do circo que eh armado em volta dele

Yuri Lins: Seleção do povo?? hauhaua... esse Felipão realmente é um fanfarrão!! Quem é do povo não se esconde, muito menos ganha os rios de dinheiro que nem esse pessoal ganha!! O povo esta revoltado pela inversão dos valores tambem!! Um profissional com mestrado nesse país ganha mil reais na grande maioria das vezes, esses povo ai que ta na seleção ganha 1 milhão no mês!! A revolta tem que chegar até eles sim!!! CHEGOU A HORA DO MUNDO ACORDAR!!! NÃO É JUSTO QUE O DINHEIRO DO MUNDO SE CONCENTRE APENAS NO FUTEBOL E O POVO VIVA NESSA MISÉRIA TOTAL!! CHEGA DO DESCASO! AMANHA É A VEZ DA BAHIA PARAR!!! 14HS!

Genio Illuminado: NO FUTEBOL BRASIL VENCEU 3-0 JAPAO, SO QUE COMO PAIS O BRASIL PERDE PARA O JAPAO DE 30-0. PODEMOS VENCER NO FUTEBOL O JAPAO MAIS COMO PAIS PERDEMOS DE GOLEADA. OS QUE PROTESTA CONTRA OS POLITICOS CORRUPTOS ESTA DE PARABENS PARA QUERER UN FUTURO MELHOR PARA O BRASIL.

Alez Zarrur: A seleção não pertence ao povo Brasileiro ela pertence a CBF , Tv Globo e os anunciantes eu não aguento mais essa imprensa tentando forçar esse time de futebol da CBf goela abaixo no povo, parecem o "zagalo vão tem que engolir" rsrs chega !!!!

Fernando: Será que o Povo só pensa em Futebol? que enche os bolsos de poucos e traz uma alegria ilusória, pois quando esse mesmo povo vai a SUSto ai sim ele sente na pele o que a maioria passa...

Edson Manzan: A CORDA FILIPAO,MILHONARIO NAO RECLAMA DE NADA NO BRASIL.ENQUANTOS OS OUTROS ESTAO NA MIZERIA,TOMARA QUE O BRASIL PERCA A COPA.VOU TORCER CONTRA,BANDO DE MERCENARIOS.
 
Filipe Fernandes: Parei de ler em: "A Seleção é do povo. Somos do povo. (...)".

Pedro Rojas: NÃO, A SELEÇÃO NÃO É (MAIS) - sic - DO POVO. Se fosse, toda essa manifestação não teria ocorrido... Estaríamos "cegos" mediante à Copa das Confederação, achando que tudo está lindo e não sairíamos para protestar. O Brasil NÃO é a Seleção, o POVO é o Brasil!

Jose Neves: É um protesto coerente. Primeiro saneamento básico, saúde, educação, moradia, transporte publico, copa do mundo não vai acrescentar nada em nossas vidas, um pais pobre, onde a maioria não têm o básico!

Roberto Martin: Vamos distribuir cartazes pro pagantes do jogo de amanhã. Em favor ao Protesto Brasileiro. Mostrar pra mídia mundial que estamos lutando por um país mais justo. Entoar o hino com palavras que representem a revolução.

Marconi Fernandes: Toma cuidado povo Brasileiro; estão tentando limitar os protestos apenas ao aumento de passagens, estão querendo tirar o foco da corrupção, das crises nos postos de saúde e hospitais, da segurança e impunidade, e desta copa maldita que já gastou simplesmente 5x mais do que o valor previsto.. Espero de coração que o povo não se contente com miseras reduções em preços de passagens!!! Agora e nossa hora, eles já viram que somos muito mais forte do que eles!!

Novato: Lógico que Não, Quanto ganha um Professor e um "Neymar"? Qual dos Dois são mais Importante para a Sociedade, para formar um Cidadão???....

Thiago Baptist: Jogadores de futebol são um bando de esnobes metidos a europeus que pouco se importam com o Brasil, eles são nocivos ao Brasil e são usados desde sempre para fazer a população deixar de pensar em coisas importantes

Julio Costa: QUANDO ALGUÉM PRECISAR DE UM HOSPITAL, PROCURE UM ESTÁDIO DE FUTEBOL!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Paulo Cesar: O futebol não tem importância alguma para construção de valores que conduza os povos a construir um novo modelo de sociedade. Pelo contrário, foi ao longo do tempo transformado em instrumento eficaz de alienação e de passar sutilmente como normais falsos valores que são caros ao status quo e sua manutenção, valores como, competição, riqueza, meritocracia, sorte, vantagem do mais forte, etc. Futebol negócio é um engodo, e toda esta manifestação se fosse substituída por não comparecimento a estádios seria um indicativo bem mais contundente de anseio por transformações, sobre tudo de valores.
 
Leonardo Morais: Triste as palavras do Felipão que foram decoradas, mas escritas pela CBF, FIFA, Globo e Governo do Brasil !!! Não são somo o povo manipulado mais, não ! ACORDAMOS !
 
Apollodorus Anfípolis: Vamos ignorar isso. Vamos mostrar para o mundo que no momento temos assuntos mais importantes a tratar. Futebol é legal, mas estamos bem ocupados agora.

Eufrazino Puxabrigas: O Maior protesto que os brasileiros poderiam fazer é o de não comparecer aos estádios de futebol para assistir as partidas, assista pela TV. Enquanto não forem dados para a saúde, educação, transporte, seca do Nordeste o equivalente aos 28 bilhões que foram jogados fora em estádios, muitos construídos em Cuiabá, Manaus, Brasília, e que ficarão como monumentos a corrupção do país, já que não terão servidão após a copa.

Ricardo Balbi: Esse felipinho, 342 ( x 171), incompetente, que falou mal dos bancários, quando é ele que não sofre cobranças, pois se o Brasil der vexame, assim como ele mandou o Palmeiras pra segundona, ainda vai ganhar milhões, se for mandado embora. Fica viajando o mundo todo, se hospeda nos melhores hotéis e come nos melhores restaurantes mas é um profissional fraco e agora fica lendo ai um script feito pelos patrões. Hoje o brasileiro não tá nem ai pro pão e o circo. Só a classe mérdia alta alienada que está indo aos estádios. Boicote já. Não a corrupção, aos empreiteiros, políticos e outros corruptos.

Luiz Nascimento: kkkkkk....eu quero ve ro povo unido...só um pala....as aoutoridades não podem contra o povo somo uma nação de milhoes e seguisermos podemos contra tudo..pois somos um nação de um povo unido agora o povo vai lutar por direitos e contra politicos mais uma palhaçada agora tem até cura gay...fora FELICIANO...ainda vai sobra pra vc seu currupito estamos a sua caça é só vc aguardar que o seu está jegando seu nada...

Vamo Porco: A verdade é que ninguém tá nem aí pra essa copa.Brasileiro quer ver o Brasil crescer em outros aspectos...

Ruy Sylva: Eu sonhei que o Neymar fazia gol contra e abandonava o jogo, os outros jogadores o seguiam também e abandonavam também e o Filipão os cumprimentavam e a torcida os chamavam os de heróis era uma entusiasmo só, lindo pena que foi só um sonho inalcançável e impossível, uma utopia.

Loboroger: A seleção deveria usar uma faixa preta num braço em favor do protesto, e outra branca no outro braço, em favor da forma pacifica que queremos!!! Coloca isso Felipao!!! Vamos juntos protestar por um BRASIL MELHOR!!!

Mauricio Fonseca: Acorda Brasil ! Quem vai ao estádio vá vestido de PRETO ao invés de verde e amarelo, em sinal de protesto contra essa política hipócrita que não nos dá o básico: Saúde, Segurança e Educação de qualidade. Vejam bem o protesto não é contra a seleção brasileira, mas sim contra os políticos corruptos, estamos cansados de ser roubados e humilhados, vamos mostrar nossa insatisfação. Imaginem no estádio todos de PRETO a mídia mostrando isso para todo o Brasil e o Mundo , que não estamos aguentando mais essa situação. "VEM VAMOS EMBORA QUE ESPERAR NÃO É SABER, QUEM SABE FAZ A HORA NÃO ESPERA ACONTECER

Gabriel Barudi: Não sou fan de futebol. Na verdade não gosto da forma grandiosa na qual é representado no brasil, mas sendo uma das mais imponentes formas de fomentar opiniões, creio que sim, jogadores da seleção, e até os proprios membros da CBF deveriam apoiar a expressão da população.

José Miranda:  Nem poderia afetar porque o que esses caras ganham é o cúmulo do absurdo! Aliás os jogadores deveriam entrar em campo com faixa apoiando os manifestantes ordeiros,mas eles não estão nem aí porque alem de ganharem muito nem aqui moram(a maioria).

Izandro Silva: ESPERO QUE A SELEÇÃO BRASILEIRA, TAMBEM APOIE O POVO BRASILEIRO. QUE ANTES DA PARTIDA, TAMBEM FAÇA SUA PARTE, PROTESTANDO E DIZENDO NÃO A CORRUPÇÃO...

Jhonny Muller: O POVO TEM QUE ACORDAR OS SALÁRIOS PAGOS A ESTES JOGADORES SÃO EXORBITANTES E NÃO CONDIZ COM A REALIDADE DO POVO BRASILEIRO É UM ABSURDO O QUE ESTES JOGADORES DE FUTEBOL GANHAM POR MÊS NO BRASIL E NA EUROPA. EX: NEYMAR, FRED, ENTRE OUTROS TEM SALÁRIOS DE MILIONÁRIOS!!!! ACORDA BRASIL!!!!

Olivia Bessa: A seleção é do POVO?????? Você sabe QUEM É O POVO treinador???? Então porque não se manifesta e apoia O POVO???? Você não quer emitir sua opinião porque você NÃO REPRESENTA O POVO, você PRECISA DO POVO. EU NÃO VOU ASSISTIR AOS JOGOS DA COPA DAS CONFEDERAÇÕES!!!!!! E AÍ TREINADOR VAI SE MANIFESTAR???????????

Essa jogada vale pontos

Anteontem aconteceu em todo o país, algo que há muito não acontecia. E foi uma chocante surpresa, pois todos os caminhos indicavam para uma alienação contagiante e crônica a atingir a sociedade como um todo.

Em todas as capitais do país, multidões saíram as ruas para protestar contra vários erros cotidianos, sobretudo os gastos exagerados para a copa e olimpíadas, que fizeram com que os orçamentos para serviços essenciais e assuntos mais sérios e urgentes fossem cancelados.

E o mais legal é que esses protestos estão acontecendo justamente durante a copa das confederações o que faz com que a repercussão seja ainda maior do que deveria. Nem a "seleção" foi poupada, pois houve protestos na entrada do hotel onde os jogadores estão hospedados em Fortaleza (talvez para pedir apoio público dos jogadores, que apesar de atualmente bem rico, nasceram pobres, sendo alienados porque querem, pois conhecem os problemas). Se as autoridades esperavam um outro tipo de manifestação, bem mais alienada, se ferraram. Os brasileiros pelo jeito descobriram que a brincadeira (futebol) só deve vir depois das obrigações de consertar os erros cotidianos.

Torço para que estes protestos sejam um marco na vida dos brasileiros e que a alienação seja um defeito a ser extirpado de uma vez por todas. Até porque a realidade nunca é uma entrada de uma bolinha em uma rede.

Estes protestos sim, representam a verdadeira batalha campal dos brasileiros e é a única que trará uma vitória real para o Brasil. Não na forma de uma jarra de ouro, mas na forma de qualidade de vida que possa satisfazer a necessidade de toda a população, sem que um único cidadão continue sofrendo.

Essa sim, é a verdadeira copa que trará vitórias reais e dignidade. O verdadeiro patriotismo.

domingo, 16 de junho de 2013

Conheça os "Patriotas de Copa"

Todo mundo está careca de saber que na sociedade brasileira, futebol não é visto como mera forma de lazer e sim como um dever cívico e regra social. Isso faz com que muita gente passe a aderir ao futebol com medo de se sentir solitário ou de estar "ofendendo a pátria". A mídia e autoridades adoram isso e até estimulam ainda mais esta atitude por saber que estimulando o fanatismo, transformam o futebol numa mina de ouro, já que, fanatizados, os torcedores não medem gastos para satisfazer o seu viciante hobby.

E essa ilusão em transformar em dever cívico, faz surgir um tipinho curioso conhecido como "patriotas de copa". Essa fauna é caracterizada por pessoas que normalmente não curtem futebol, mas por pensarem se tratar de dever cívico, em épocas de copa ou quando há muita campanha midiática em prol do futebol e de seu fanatismo, aderem sem hesitar, acreditando estar cumprindo um dever honrado.

Os patriotas de copa não entendem bulhufas sobre futebol, desconhecem os jogadores que não sejam atacantes e nem sabem o histórico da "seleção" ou dos times para que fingem torcer, mas durante as copas, fazem questão de comprar camisas e adereços relacionados a "seleção", sem medir gastos e muitas vezes abrindo mão do necessário, adiando qualquer atividade realmente mais importante que ocorra durante os jogos. Para o patriota de copa, torcer para os 11 amarelados e nada importante a fazer é muito mais urgente do que qualquer coisa.

O patriota de copa não se importa se o país vai mal, se a sociedade brasileira tem problemas e se tudo dá errado. Como acontece com fanáticos religiosos, o patriota de copa espera que a vitória da "seleção" possa trazer a dignidade a sociedade brasileira ou no mínimo compensar os problemas que não consegue resolver, ou por inércia, preguiça ou ignorância, mesmo. Para ele berrar feito alce a cada gol da "seleção" é a malhor forma de desabafar dos problemas crônicos do país.

Interessante que neste grande número de patriotas de copa inclui as mulheres, em franca maioria (já que os que gostam de fato de futebol são homens). Mulheres são mais submissas a regras sociais e o futebol é uma regra social bastante rigorosa*. Muitas mulheres acham obrigatório gostar de futebol em épocas"importantes" para não se sentirem sozinhas. Mesmo assim, nunca conseguem esconder uma falta de intimidade com o famigerado esporte e o desconforto causado por esta falta de intimidade.

Os patriotas de copa confundem tanto o país com a "seleção" que normalmente cultuam os símbolos cívicos ao se referirem a "seleção", ao invés de cultuar o símbolo da CBF e similares. Muitos até desconhecem os símbolos relacionados a "seleção", do contrário que fazem normalmente com seus - supostos - times favoritos. Há relatos de crianças que desconhecem que o Hino Nacional Brasileiro é o hino do país, de tanto que o mesmo é associado - de maneira postiça - ao futebol.

Esses são os patriotas de copa, gente infantil que coloca uma simples brincadeira como se fosse a única razão de ser do brasileiro. Um sintoma típico de evidente baixa auto-estima.

-------------------------------------
* NOTA: Isso tem feito aumentar o número de mulheres que, com ou sem a dedicação total e atenta, passam a curtir futebol, enquanto há o aumento de homens que admitem não gostar de futebol.  Há uma tendência de a longo prazo, o futebol ser um esporte curtido majoritariamente por mulheres no Brasil, mesmo com homens jogando.