Pular para o conteúdo principal

Quando falam em futebol, esquerdistas impõem visão subjetiva do esporte

Gosto é algo muito pessoal. Diferente do valor cultural, gostar de algo reflete apenas o fato de alguém sentir prazer com determinada coisa. E prazer varia de pessoa para pessoa, o que impede qualquer absolutismo. Não dá para impor uma fonte de prazer a outras pessoas. Cada um que fique com a sua fonte de prazer.

Mas no caso do futebol, é claro o desejo de muitos que o seu prazer seja repartido, como numa gigantesca orgia. Quem gosta de futebol detesta saber da existência de quem não curte. O sonho de qualquer torcedor é ver o seu maior prazer convertido em unanimidade para justificar a tola tese de "origem biológica" do hobby. Ou seja, "quem não curte futebol, bom sujeito não é". Como leprosos, não-torcedores merecem o isolamento total.

Só que não dá para agradar a todos e é inevitável a existência, mesmo minoritária, de pessoas que se recusam a participar desta imensa e barulhenta orgia futebolística. O que tira qualquer tipo de objetividade no discurso de defesa do futebol. Ou seja, o futebol não é bom porque é bom, mas porque quem gosta acha que é bom. E são muitos os pensam desta forma.

Esquerdistas querem impor o futebol goela abaixo

Claro que a direita, habitualmente autoritária, pensa assim. Mas o que surpreende é que as esquerdas estão demonstrando um certo autoritarismo quando o assunto e futebol. Não se sabe se elas ganham com isso, mas o que se nota é um desesperado proselitismo pró-futebol, reacendo a chama do "futebol-civismo". "Temos que ganhar, porque sem futebol, morreremos", devem pensar os que adoram futebol.

Tudo bem que seja um ponto de vista bastante pessoal e portando subjetivo. Gosto é gosto e merece respeito. Mas impor o gosto pessoal aos outros não me parece uma boa ideia. Ainda mais quando esta imposição vem travestida de objetividade para tentar se legitimar. Como se o gosto pelo futebol fosse uma necessidade orgânica do brasileiro. Uma necessidade que nunca satisfez nossas necessidades reais.

Brasil não precisa do futebol para ter dignidade

Que os esquerdistas ficassem com o seu hobby para si, tudo bem. É um direito deles. Mas fazer inúmeros programas dizendo que "brasileiros tem que gostar do futebol" e agir de uma forma a ponto de se desesperar ao ver que uma jornalista esportiva não demonstrou sua alegria ao ver a seleção brasileira ganhar uma partida, aí virou algo bem patético.

O Brasil não depende do futebol para ter dignidade. Quem acha que depende tem auto-estima baixa e se conforma com o fracasso que o Brasil tem em assuntos de mais urgência, que realmente interferem na qualidade de vida do povo. Bom lembrar que qualidade de vida vai muito além do que sentar diante de uma gigantesca TV com tela verde cheia de bonecos vestidos de amarelo correndo pra lá e pra cá.

O que o futebol representa para o povo é algo bem subjetivo. Nada tem de objetivo em algo que traz prazer. O prazer é assunto individual e cada um acha o que quiser sobre a sua fonte de prazer. Que as esquerdas fiquem com seu futebol. Mas parem com este proselitismo. Não sou obrigado a aderir a algo que me dá prazer, mesmo que ele dê prazer para muitos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Com Futebol, Esquerdas fazem o jogo da Direita

Quem visitou nesta semana os sites de esquerda percebeu que o futebol passou a ser o principal assunto na mídia alternativa. Pior: do mesmo jeito que é feito na mídia corporativa, com os mesmos pontos de vista. E ainda pior: com direito a exaltações ao direitista Neymar, tucano assumido e frequentemente usado como prova de que a meritocracia "dá certo". Só faltava a esquerda pedir para Neymar mudar de lado na orientação política. O que não deve demorar para acontecer.
A Direita é que foi responsável por criar e desenvolver o fanatismo futebolístico. Goste ou não da realidade, o fato é que o gosto pelo futebol foi ensinado através da mídia corporativa e consagrado pelos costumes sociais. Inclusive os que seguem ideais de esquerda e vivem falando mal da mídia corporativa tem que admitir isso.
O futebol tem características típicas de direita. É um trampolim seletivo para alguns jovens pobres, que com o tempo, graças a subida rápida de classe social, passam a exaltar ideais de d…

Torcida pela derrota da "seleção"

Se você quer que o falso patriotismo de copa acabe e que o futebol volte a ser curtido apenas como esporte e não como "dever cívico", cante conosco:

- O AMARELÃO VAI DANÇAR! O SOSSEGO VAI VOLTAR!

Para que o Brasil volte a se desenvolver, eliminando problemas e desigualdades!

Além de nos livrar daqueles barulhos infernais das cornetas e dos berros da torcida que fica insana nesta época de copa.

Brazilians: GO HOME!!!

O show de imaturidade dos portais de esquerda brasileiros

Muita gente vai se sentir ofendida com esta postagem. Mas se repararmos que ainda somos uma população jovem com apenas 518 aninhos de idade, vamos entender a nossa superestimação a algo que foi criado para ser uma reles forma de lazer mas que é tratado como o nosso motivo maior de orgulho e urgente ato de salvação cívica de um país.
Não somos o único povo fanático por futebol, mas somos o único que faz a confusão entre este tipo de esporte e a própria pátria, a ponto de ver importância política no mesmo, como quem enxerga uma cabeleira em uma lisa casca de ovo. 
Somos infantis e ainda preferimos ser patriotas de brincadeirinha do que ser patriota de verdade. Até porque ser patriota de mentirinha é mais fácil e tranquilo. A história mundial comprova que patriotas de verdade só vivem se ferrando. O verdadeiro patriotismo exige uma luta comparável a carregar um arranha-céu de mais de 100 andares pelas costas. Melhor ser patriota de mentirinha.
Brincar é muito bom, mas não numa época em …