Pular para o conteúdo principal

Grito de "gol" dos cariocas é para afirmar masculinidade

Quem vive no Rio de Janeiro sabe que na sociedade carioca o futebol não somente é obrigação social como é regra de etiqueta. A sociedade carioca está dividida entre quatro times: Flamengo, Fluminense, Vasco e Botafogo. Cariocas são obrigados a escolher um dos quatro times e mesmo não assistindo a um só jogo e desconhecendo o nome dos principais craques, quem não optar por entre um dos quatro se encontra em sérios apuros, sendo vítima de claros preconceitos.

Mas para os homens cariocas, o futebol tem um significado a mais, o que aumenta a obrigatoriedade: o futebol é o meio de afirmar a masculinidade. Para cariocas, homem não é aquele que gosta de mulher. Homem é aquele que gosta de futebol. Se você for gay e gostar de futebol, você é respeitado como macho viril e tem a sua masculinidade comprovada. Mas se você é daqueles que não trocaria mulheres por um joguinho de futebol, ih... pode se preparar para apanhar de homofóbicos.

Você já deve ter ouvido como um carioca comemora a vitória de seu time favorito. Não é como uma pessoa naturalmente feliz. É um berro gutural, similar ao de um gorila pronto para o ataque. Isso acontece porque o torcedor usa o futebol para "comemorar"a sua masculinidade. Quando um torcedor carioca grita "gol" ou o nome do seu time, na verdade ele está gritando: "EU SOU MACHOOOO!!!".

Por isso que o grito de um torcedor carioca é tao estridente. Interessante que isso derruba o mito de que o carioca é um povo elegante e culto e confirma a minha suspeita de que o carioca tem índole agressiva. O grito dos torcedores é um grito agressivo, como se o torcedor disse para ninguém mexer com ele senão ele pode partir para o ataque, em prol do prejuízo alheio.

Não é por acaso que o Rio de Janeiro é o estado do machismo desenfreado, das celebridades arrogantes e gananciosas, dos traficantes de drogas, do Eduardo Cunha, do Bolsonaro e os ataques de bullying e cyberbullying. Agredir os outros é algo que ninguém faz melhor que os cariocas. Tente entender isso...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Com Futebol, Esquerdas fazem o jogo da Direita

Quem visitou nesta semana os sites de esquerda percebeu que o futebol passou a ser o principal assunto na mídia alternativa. Pior: do mesmo jeito que é feito na mídia corporativa, com os mesmos pontos de vista. E ainda pior: com direito a exaltações ao direitista Neymar, tucano assumido e frequentemente usado como prova de que a meritocracia "dá certo". Só faltava a esquerda pedir para Neymar mudar de lado na orientação política. O que não deve demorar para acontecer.
A Direita é que foi responsável por criar e desenvolver o fanatismo futebolístico. Goste ou não da realidade, o fato é que o gosto pelo futebol foi ensinado através da mídia corporativa e consagrado pelos costumes sociais. Inclusive os que seguem ideais de esquerda e vivem falando mal da mídia corporativa tem que admitir isso.
O futebol tem características típicas de direita. É um trampolim seletivo para alguns jovens pobres, que com o tempo, graças a subida rápida de classe social, passam a exaltar ideais de d…

Torcida pela derrota da "seleção"

Se você quer que o falso patriotismo de copa acabe e que o futebol volte a ser curtido apenas como esporte e não como "dever cívico", cante conosco:

- O AMARELÃO VAI DANÇAR! O SOSSEGO VAI VOLTAR!

Para que o Brasil volte a se desenvolver, eliminando problemas e desigualdades!

Além de nos livrar daqueles barulhos infernais das cornetas e dos berros da torcida que fica insana nesta época de copa.

Brazilians: GO HOME!!!

O show de imaturidade dos portais de esquerda brasileiros

Muita gente vai se sentir ofendida com esta postagem. Mas se repararmos que ainda somos uma população jovem com apenas 518 aninhos de idade, vamos entender a nossa superestimação a algo que foi criado para ser uma reles forma de lazer mas que é tratado como o nosso motivo maior de orgulho e urgente ato de salvação cívica de um país.
Não somos o único povo fanático por futebol, mas somos o único que faz a confusão entre este tipo de esporte e a própria pátria, a ponto de ver importância política no mesmo, como quem enxerga uma cabeleira em uma lisa casca de ovo. 
Somos infantis e ainda preferimos ser patriotas de brincadeirinha do que ser patriota de verdade. Até porque ser patriota de mentirinha é mais fácil e tranquilo. A história mundial comprova que patriotas de verdade só vivem se ferrando. O verdadeiro patriotismo exige uma luta comparável a carregar um arranha-céu de mais de 100 andares pelas costas. Melhor ser patriota de mentirinha.
Brincar é muito bom, mas não numa época em …