Seguidores

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Eu não quero que o Brasil seja conhecido pelo seu futebol. Temos muito mais do que isso

Pode parecer chocante para a maioria das pessoas ter que ouvir alguém dizer que o Brasil não deve ser conhecido pelo seu maior símbolo, por aquilo que o faz famoso lá fora: o seu futebol. O Brasil é um país com diversidades variadíssimas e não pode ficar marcado por causa de um mero esportezinho que sequer é o mais divertido que existe.

A mídia colocou na cabeça de todo mundo que Brasil e futebol são sinônimos: que torcedor de futebol e brasileiro significam a mesma coisa. Muita insistência publicitária e uma certa rigidez nas regras sociais consagrou o futebol como nossa identidade, sendo facilmente confundido com patriotismo e com dever social. Em muitos lugares no país, por exemplo, só tem direito a ter amigos quem curte futebol: quem não curte, é excluído.

Mas todo o esmero em transformar o futebol no melhor que podemos oferecer ao outro é inútil. Até porque isso é uma farsa. Não é o nosso melhor. O futebol, esporte mediano, tão mediano que é praticado por atletas de baixíssima escolaridade e personalidade submissa e passiva, em nada interessados em melhorias reais para o país, a não ser aquela caridade estereotipada que algumas instituições de caridade já fazem: uma caridade que conforta mas não muda nada.

O Brasil tem muitas atrações para os estrangeiros muito melhores que o inútil e fútil futebol (fútil-bol?). Paisagens naturais, variedade de comidas, de etnias, de cultura e de costumes que nos faz pensar que vivemos não em um país, mas em um continente bem variado. Temos cidades bem diferentes cada uma com sua peculiaridade, quase todas com vocação turística, pois até na menor das cidades, pode se encontrar algo interessante para se admirar e que não é visto em outro país do mundo.

Porque superestimar o futebol? Futebol só interessa aos torcedores. Futebol não deve ser empurrado goela abaixo da população. A nossa Constituição Federal, felizmente, não obrigou ninguém a gostar de futebol para se considerar brasileiro. Então porque muitos preferem fingir que gostam como se isso fosse uma obrigação cívica?

Não quero mais que o Brasil seja a pátria de chuteiras. Não quero que o futebol seja a nossa cara lá fora. Brasil não tem uma cara, tem muitas e nenhuma delas é uma bola de futebol. Até porque nem brasileiro o futebol é. Futebol é inglês e em sua pátria natal, por mais fanatizado que seja, nunca é confundido com dever cívico e nem é obrigação para ninguém.

Quero que o Brasil seja o país da diversidade, da variedade. Que o Brasil seja o país de muitas coisas não apenas de uma única modalidade esportiva. Temos muito do que nos orgulhar de nosso país e o futebol, sinceramente, não é uma delas. Até porque nunca serviu para nada, além de um mero passatempo para quem não tem nada melhor para fazer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.