Seguidores

domingo, 1 de setembro de 2013

Comunidade do Facebook contra futebol é marcado por gente inteligente e de bom gosto

Sem querer ofender quem curte futebol, mas vamos reconhecer: futebol é hobby de gente burra. Pode ser até que haja inteligentes que se interessem por futebol, mas é hobby típico de gente de escolaridade baixa e de senso critico atrofiado (não apenas os torcedores, mas jogadores também, salvo raras exceções). Se nem todos os que curtem futebol são burros, pelo menos todos os burros curtem futebol.

Mas e quem não curte. Se livrar das amarras de um hobby considerado obrigatório pela mídia e pelos costumes sociais não é tarefa para qualquer um. Deixar de gostar de futebol exige uma abnegação e também a coragem de assumir uma solidão compulsória, já que o futebol também é um dever social, considerado inclusive item de etiqueta em alguns lugares como a Região metropolitana do Rio de Janeiro. Negar o futebol é tarefa para os fortes.

Ir contra a correnteza é uma boa metáfora para explicar como é difícil fugir do pensamento da maioria. Para quem prefere seguir a correnteza, tudo flui, vai rápido e não exige esforço. Mas a desvantagem é que geralmente a correnteza leva para um penhasco e muita gente pode se dar mal nisso. Ir contra a correnteza pode significar salvação, por mais difícil que seja.

E por isso mesmo, a principal comunidade anti-futebol do Facebook, em que sou - com o maior prazer - moderador e administrador, está sendo marcada como a comunidade mais inteligente do Facebook, por não apenas estimular discussões inteligentes sobre o tema (a aversão ao hobby mais popular do país), como ter como integrantes gente acostumada a pensar, questionar e analisar sobre os mais diversos temas, sem aceitar facilmente o que a ampla maioria defende cegamente.

Sei que não é para fazer propaganda de nada, mas se você quiser conhecer gente inteligente, que sabe o que quer, que pensa e tem bom gosto, visite este link e irá se surpreender com a presença de muita gente boa, mesmo em tempos alienados em que vivemos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.