Seguidores

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Não é o futebol que aliena. É o que vem junto com ele...

Os torcedores de futebol não gostam de ser chamados de alienados. Apesar de não provarem nada que inviabilize o fato de serem chamados como tais, batem o pé no chão se recusando a admitir  a alienação que é claramente visível.

Claro que esses torcedores se revoltam porque não entenderam  as acusações de alienação. Na verdade, se os torcedores são realmente alienados, não é pelo fato de gostarem de futebol e sim por achar que o seu esporte favorito, criado para não ser nada além de uma forma de diversão, é o símbolo de orgulho e de identidade nacional, quase como uma forma de patriotismo, de amor à pátria.

É aí que se vê a alienação. É nessa confusão entre futebol e dever cívico, "seleção" e nação, jogador de futebol e herói, que caracteriza a verdadeira falta de bom senso e de lógica, caracterizando o fanatismo alienante que é muito criticado por quem não curte futebol.

O que estes torcedores precisam saber é que não é o futebol e nem o fato deles gostarem dessa modalidade esportiva que está sendo criticado. É a exagerada importância dada a esse esporte, transformando-o em dever cívico, baseado na ideia fantasiosa de que é a única coisa que nos faz melhores que os outros.

Quanto a isso, um aviso. Se o fato de querer ser melhor do que o outro já é altamente reprovável, quero lembrar aos torcedores que o Brasil também se destaca em outros setores, muito mais sérios, como em alguns aspectos científicos e econômicos, porem mais "desinteressantes" para as grandes massas acostumadas a não pensar, engolindo as ideias que a mídia e as tradições sociais empurram goela abaixo. Legal mesmo é ser o melhor no futebol. O resto não tem graça.

Para encerrar esta conversa eu digo que no Brasil, o culto ao futebol é sim, alienado. Se não fosse, o futebol seria tratado como supérfluo e não como "símbolo máximo da identidade brasileira". Para que o culto ao futebol não seja alienante nem alienado, é preciso que se devolva o caráter lúdico ao futebol. Transformá-lo em dever cívico e em dever social foi a pior coisa já feita no país, desde que Pedro Álvares Cabral aportou por estas terras.

Alienado não e aquele que gosta de futebol. Nada disso. Alienado é aquele que gosta de futebol, pensando que está cumprindo um dever cívico e agradando a sociedade. Este sim, é um perfeito idiota.

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Fabricante de TV coloca botão para futebol em controle remoto

Palhaçada desnecessária, mas que ainda sinaliza que, para os empresários, assim como ocorre com as autoridades, há o enorme interesse em estimular o fanatismo futebolístico que, além de imobilizar a população, transformando-a em carneirinhos dóceis e submissos ("pra quê melhorar o Brasil, se bom mesmo é ganhar no futebol? " - Quanta asneira!), ainda garante uma grande fortuna, que chega aos cofres dessas empresas sem qualquer tipo de adiamento.

A Samsung decidiu colocar um botão de futebol no controle remoto de um dos modelos mais recentes de TV. Esse botão varre algum canal que esteja passando algum jogo de futebol. Um botão desnecessário até para quem gosta de futebol, já que o fanatismo estimula a iniciativa de procura por parte dos torcedores que, certamente já conhecem a programação de seus jogos favoritos na TV antes mesmo de sentar no sofá e berrarem feito alces a cada gol.

Mesmo que os torcedores não necessitem de tal botão, eles agradecem. Pois todo o estimulo ao vício dos viciados é bem vindo para aqueles que não tem a coragem de largar seu vício.

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Explicando novamente a relação entre alienação e futebol...

Já publicamos aqui vários textos tentar colocar na cabeça da população o fato de que não é o futebol em si que é alienado, mas a maneira que o brasileiro curte futebol, colocando nele uma exagerada importância que não lhe pertence, transformando-o em símbolo pátrio e motivo maior de orgulho para o brasileiro, que o coloca acima até da qualidade de vida ou de coisas ainda mais sérias.

O futebol, para quem não sabe (e muita gente não sabe disso), foi criado APENAS para ser uma forma de diversão. A mídia, patrocinada por empresas interessadas em desviar o foco da sociedade para coisas mais supérfluas, estimulando o consumo de produtos ligados a modalidade esportiva, é que inventou essa "tradição" do "futebol-pátria", que transformou aquilo que foi criado como simples passatempo em uma obrigação cívico-social quase unânime. 

Esta transformação é que deve ser considerada como fonte de alienação, pois superestima uma forma de lazer supérflua, encarada com absoluta seriedade por quase toda a população, gerando inclusive muitos preconceitos e alguns problemas (principalmente pela "necessidade" de parar serviços essenciais para que se possa assistir aos jogos), que acabam gerando transtornos à sociedade.

Se a população aprendesse a tratar o futebol como mera diversão, sem obrigar ninguém a gostar, sem colocar acima de outros valores, seria uma forma sadia de se curti futebol. Mas não é assim. Os brasileiros que gostam de futebol curtem de maneira exagerada, como se estivessem cumprindo um dever cívico. Largam tudo e todos pelo prazer supérfluo de quase duas horas apenas. Acham sadio esse fanatismo (não existe fanatismo sadio) e chegam a considerar como "doido" quem se abstém a esse fanatismo.

Quando os torcedores são criticados pelo seus excessos, principalmente por quem não curte futebol, é para que sintam como é horrível ser criticado por causa de gostos pessoais, já que os torcedores vivem criticando quem não gosta. Quando a "pontaria" vira para o lado deles eles não gostam.

Será que não dá para eles pararem de levar a sério o futebol? Será que vão continuar amando mais a seus times do que a seres humanos? Será que vão continuar esperando a dignidade vir da forma de um título mundial no futebol? Isso é comparável a alguém que acha e vive esperando para que a vinda do Papai Noel fosse mudar as suas vidas.

A população que se amadureça. Não peço para que deixem de gostar de futebol. Peço para que deixem de levar o futebol a sério. Se houver necessidade, desliguem suas mentes do futebol, e façam algo mais importante. Amem mais as pessoas do que seus times, ainda mais se essas pessoas não curtem futebol. Temos mais títulos no futebol que outras seleções e já foi provado que isso não melhora a vida de ninguém (só da própria CBF, seus envolvidos e patrocinadores). 

Esperar que a dignidade venha na forma da vitória de um time ou da "seleção" é como se recusar a largar a chupeta, prorrogando a infância, esta sim, o que nos prende a alienação de que nossa população de "técnicos de mentirinha" é acusada.

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Garota escreve resposta dura a comentário alienado de Pelé sobre os protestos

Este vídeo, que já tem algum tempinho, é o mais duro e direto contra o fanatismo do futebol, aproveitando o triste comentário de Pelé, durante a supérflua copa das confederações, de que deveríamos abandonar os protestos ocorridos na época e torcer pela "seleção" porque a "'seleção' é o país". Quanta besteira, "Majestade"!...

Seleção não é o país, ô alienado!!! Seleção é só um timinho de futebol. É lazer, diversão, brincadeira!!! Futebol é nada para ser levado a sério, viu? Séria é a qualidade de vida da população brasileira! Sério é tudo aquilo que o futebol, uma mera forma de diversão pura (e nada além disso), nunca teve, nunca tem e nem terá condições de representar! O resto (incluindo o futebol neste resto) é brincadeira de criança bem pequeninha. Entende?!!! 

Parabéns a esta corajosa professora, que teve a coragem de dizer tudo em um só vídeo de poucos minutos, acabando de vez com a fantasia irracional de que o "futebol é patriotismo". Valeu!!!