Seguidores

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Homem brasileiro gosta mais de futebol do que de mulher

Mundo injusto é isso aí. Normalmente quem tem mais benefícios é justamente quem merece. Segundo pesquisas recentes, o homem brasileiro tem como maior paixão o futebol, seguido da cerveja (que vale lembrar: tem gosto ruim - todos bebem por obrigação social e depois por vício), ficando as mulheres em terceiro lugar.

Interessante que muitos homens que se dão bem na vida afetiva, se casando com as melhores mulheres, se enquadram neste perfil, prejudicando os outros homens que realmente gostam dessas mulheres e não podem conquistá-las pelo prosaico motivo delas estarem comprometidas (com homens que não gostam delas). Isso confirma a tese de que mulheres preferem homens que as desprezam. Para muitas mulheres, infelizmente submissas às regras sociais, homens apaixonados passam uma impressão errada de insegurança. O que é uma baita mentira.

Porque os homens largam as suas mulheres e vão casar com jogadores de futebol? Tenho absoluta certeza que se os homens que amam futebol fizessem isso seriam muito mais felizes, lembrando que os jogadores dos times de maior popularidade ganham imensos salários (sem estudar - a maioria deles não tem sequer o ensino básico), podendo sustentar os torcedores dando uma vida bem abastada.

Mulher tem que se casar com quem gosta dela. Do contrário, só traz infelicidade.

domingo, 27 de janeiro de 2013

Do contrário que todos pensam, patriotismo é abandonar o futebol

O povo brasileiro precisa amadurecer. O seu esporte favorito, tido por muitos como razão de ser e "manifestação de amor à pátria", o futebol, é a principal razão para o caos que se encontra o país agora. 

Irresponsavelmente, as autoridades decidiram organizar uma copa do mundo de futebol justamente quando nossos problemas se encontram cada vez mais fortes e difíceis de serem resolvidos. O dinheiro e o tempo que deveriam ser dedicados a resolvê-los está sendo desviado para as obras para a copa, já que a FIFA fez inúmeras exigências de infraestrutura para a realização da mesma. Se os brasileiros fossem maduros, fariam de tudo para cancelar esta copa.

E os problemas só aumentam. Muitos dos projetos de mobilidade não saíram do papel. Vários deles podem até ser cancelados. A reforma do Maracanã está acabando com uma escola, uma instituição indígena e pasmem, com o estádio Célio de Barros, que poderia ter sido incluído na reforma, pensando nas olimpíadas de 2016 (outro erro). A irresponsabilidade enrustida das autoridades não tem tamanho nem fim.

As autoridades conhecem muito bem o fanatismo da população em relação ao futebol e resolveram se aproveitar disso para abusar bastante e além de garantir lucros financeiros, ganhar visibilidade como "as autoridades que realizaram a copa no Brasil", acreditando estar inscrevendo seus nomes na história mundial. Bobagem inútil e desnecessária. 

Não era melhor ganhar visibilidade melhorando a qualidade de vida da população? Claro que sim. Mas isso não aparece, não é espetáculo. Legal é fazer coisas grandiosas para sair delas como verdadeiros faraós.

E a população brasileira como fica? Fica como está. Deslumbrada com a grandiosidade do evento, graças a tradicional imaturidade resultante do desestímulo ao raciocínio feito por mídia, sociedade e instituições, ela é capaz de abrir mão da qualidade de vida por causa de espetáculos grandiosos e bonitos quer só servem para encher os olhos e mais nada. Ainda mais se esse espetáculo envolver o seu ópio favorito.

A ideia arraigada de que futebol é patriotismo ainda é um grande obstáculo ao amadurecimento da sociedade, como uma chupeta que insiste em permanecer na boca de uma criança crescida. Enquanto a sociedade não largar a sua maior chupeta, autoridades vão usar e abusar esse vício tupiniquim para garantir lucros e mais lucros, esquecendo da qualidade de vida e mantendo o país no atraso subdesenvolvido que virou o seu carma incurável.

Como veem, patriotismo mesmo é largar o futebol. Sem ele, poderemos dar voos mais altos rumo a verdadeira felicidade da nação.