Seguidores

domingo, 4 de novembro de 2012

Heróis de P* nenhuma

Só mesmo um povo ignorante como o brasileiro para subestimar a função de jogador de futebol, cuja única missão é chutar uma mísera bola de borracha em uma rede. Só.

Pois então. A fama do brasileiro em  preferir coisas fúteis e inúteis em detrimento de coisas sérias e de utilidade é consagrada com esta atitude evidentemente infantil. Só por chutar uma mera bolinha, um sujeito é considerado um heróis neste país de anti-intelectuais.

E muitos jogadores são endeusados, como se o que eles fazem fosse considerado de grande utilidade para a melhoria de qualidade de toda a população. Como se ele realmente "salvasse" a população, o que qualquer imbecil sabe que nada tem a ver.

Como é que conseguem enxergar heroísmo em uma mera atitude que mais se assemelha a uma brincadeira de criança. É muita fantasia, muita ilusão. E ainda levam a sério essa atitude, como se fosse algo típico da vida adulta, um sinal de maturidade. Maturidade?

O que os jogadores de futebol fazem não é muito diferente do que os palhaços fazem nos picadeiros. O formato dos estádios de futebol até se parecem com circos sem lona. nada muito diferente.

Então porque levar a sério? Porque matar e morrer por causa deles? Porque condecorá-los com Ordens disso e daquilo? Pra quê? O que eles fazem de útil para a sociedade?

A "seleção" já venceu 5 copas e ninguém ficou melhor por causa disso. pelo contrário. A confiança cega no futebol tem servido de compensação para a não resolução de ternos problemas. Como se o fato de sermos "melhores" no futebol nos dispensassem de sermos os melhores em outros assuntos mais sérios.

E então pra quê cultuar gente como Neymar, Adriano, Ronaldos, que nem como exemplo de seres humanos eles tem serventia? Um bando de inúteis que nada servem além de chutar uma mera bola em uma rede.

Chutar uma bolinha em uma rede... O que há de importante nisso?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.