Seguidores

domingo, 18 de novembro de 2012

Futebol, Copa do Mundo, corrupção e alienação

OBS: Eu me surpreendi ao encontrar esse texto na internet. O que espanta não é o texto em si, mas o fato de que ele foi escrito para um site de esquerda. A maioria dos esquerdistas brasileiros prefere ignorar a utilização do futebol como meio de geração de lucro e de manipulação ideológica, por achar que o mesmo esporte simboliza a "alegria" do pobre. 

Boa parte dos esquerdistas se comovem quando veem pobres empinando suas bundas e grunhindo a cada gol de seu time favorito. Os esquerdistas se esquecem de que futebol é ilusão e nada tem a ver com a qualidade de vida. Que a vitória da "seleção" ou de algum time não traz nenhum benefício para os seus entusiastas.

Exceção do cara que escreveu esse belo texto, reconhecendo o poder alienador do futebol e sua inutilidade para a felicidade real da população. Escrever nesse ponto de vista é uma prática que é mais comum em direitistas, que normalmente fazem isso não porque odeiam o futebol, mas porque os odeiam pobres, compartilhando (enrustidamente) com os esquerdistas alienados a falsa ideia de que o futebol é a alegria real da população carente. 

Vamos parar de se iludir e amadurecer. Futebol é só lazer e mais nada. Brincadeiras têm idade para acabar.

Futebol, Copa do Mundo, corrupção e alienação

Delson Plácido - publicada na Edição 446 do Jornal Inverta, em 24/08/2010
Artigo que análise o futebol como é apresentado pela mídia burguesa.

Com esse título, iniciamos o nosso artigo de hoje sobre o Campeonato Mundial de 2010, finalizado recentemente e conquistado merecidamente pela Espanha.

O Brasil voltou pra casa muito mais cedo do que se previa, perdendo mais uma chance de conquistar o hexa campeonato. Quem foi ao Estádio de Port Elizabeth para ver Robinho, Kaká, Luís Fabiano durante a partida Brasil e Holanda acabaram assistindo foi uma grande atuação de Robben e Sneijder.

Já estavam ficando insuportáveis alguns veículos de divulgação transmitindo, várias horas por dia, reportagens alienantes e imbecis sobre a Copa do Mundo de 2010, a qual, em termos de futebol apresentado, foi péssima, muito pior que as copas de 1994, 2002, predominando a mediocridade, com poucas exceções. Isso sem contar com as péssimas arbitragens, com erros infantis, influindo decisivamente em vários resultados. Hoje em dia, mais do que nunca, o futebol é um esporte onde predomina a mentira, a simulação, o mau-caratismo, violência física, agressões. Exemplo: jogada com a mão do atacante Henry da França durante a partida que eliminou a Irlanda do Norte da Copa do Mundo de 2010.

Uma coisa positiva a destacar foi o povo brasileiro se livrar dessas malas pesadas da crônica esportiva da imprensa golpista, tais como Galvão Bueno, Alex Escobar, Renato Prado, Milton Neves e das declarações diárias alienadas dos bilionários garotos propaganda integrantes da seleção brasileira.

Sempre fui contra a intromissão das empresas multinacionais nos assuntos internos do futebol brasileiro e mundial..O futebol em todo o mundo tornou-se um grande negócio, uma podridão. Jogos manipulados, juízes comprados, dirigentes de clubes enriquecendo a custa das transferências de jogadores. Vários casos de corrupção, manipulação de jogos já ocorreram na Itália e no Brasil.

As pessoas não se dão conta da utilização ideológica e política do campeonato mundial de futebol pelo capitalismo. Há várias décadas o futebol deixou de ser um esporte para transformar-se num negócio, que movimenta centenas de bilhões de dólares. Desde os anos 30, o futebol se transformou numa ferramenta de propaganda política. Hitler e Mussolini promoveram o futebol em seus respectivos países, Alemanha e Itália.

O Tricampeonato Mundial de Futebol de 1970, no México, foi utilizado pela ditadura militar brasileira para distrair o povo, para desviar a atenção do período mais duro da ditadura militar. Enquanto se festejava a conquista do Mundial de 1970, vários patriotas eram presos, torturados, assassinados e muitos continuam, até hoje, desaparecidos.

Em 1978, a Argentina teria que ser campeã de qualquer maneira. A ditadura militar argentina também se utilizou do futebol e do campeonato mundial para distrair o povo, enquanto os carrascos  Videla, Galtieri, Massera, Astiz  e outros bandidos fardados e civis do regime militar prenderam, sequestraram, mataram  e desapareceram com milhares de compatriotas.

Com o futebol, os detentores do poder continuam promovendo espetáculos (pão e circo), dando uma falsa sensação de alegria às vítimas do capital, desviando sua atenção da  grave crise econômica mundial, sobre as matanças, sobre o desemprego, sobre a falta de moradia, sobre as guerras imperialistas, sobre a falta de assistência médica, sobre a violência, sobre a corrupção, sobre a destruição da natureza, sobre a fome, sobre a exploração  e a opressão.

Hoje, capitalismo e humanidade são excludentes. Para o capitalismo se manter tem que ameaçar a humanidade. Para a humanidade se salvar tem que acabar com o capitalismo.
Tal como as drogas, este tipo de futebol bilionário cria um mundo fictício e se constitui num verdadeiro ópio para o povo, pior até do que a religião, segundo alguns sociólogos.

Segundo informações de estudiosos do esporte bretão, a FIFA (Federação Internacional de Futebol Associado) possui mais de 1 bilhão de dólares e, no ano passado, ganhou 900 milhões, simplesmente cobrando comissões das federações, compra e venda de jogadores, que ficam nas mãos de dirigentes dos clubes, dos intermediários e representantes e de outros tantos coiotes.
E vamos prosseguir focalizando esta conexão entre esporte e política em muitos aspectos prejudiciais ao povo. Na Itália, Silvio Berlusconi, por ser proprietário do Milan e dono de veículos do monopólio de comunicações acabou sendo eleito. Em Buenos Aires, Maurício Macri foi eleito governador por ser presidente do Boca Juniors.

No Brasil, a falta de consciência política tem proporcionado a eleição de cartolas corruptos como Eurico Miranda, Kleber Leite, Caixa D’água, Castor de Andrade e outros por este Brasil afora. Vários jogadores de futebol foram eleitos vereadores, deputados estaduais, cujos desempenhos deixaram muito a desejar. Podemos citar como péssimos exemplos de políticos Carlos Alberto Torres, lateral-direito da seleção campeã mundial, em 1970, no México; Biro-Biro, jogador do Corinthians;  Roberto Dinamite, atacante do Vasco da Gama na década de 70..Outro equívoco gravíssimo do eleitor brasileiro é a eleição de cantores para as câmaras municipais e assembleias legislativas.

Após a eliminação do Brasil, estranhamente, o presidente Lula, tal como  na outra Copa, ou seja, de 2006, quando o Brasil  foi eliminado vergonhosamente pela França, agora, após a derrota  para a Holanda, manifestou novamente sua solidariedade ao presidente da CBF, Ricardo Teixeira.

A corrupção no futebol  é uma triste realidade. Aliás não é só na CBF, em que há necessidade de uma limpeza total. Segundo informou a imprensa europeia, por ocasião da eleição  do atual presidente da FIFA, Joseph Blatter, este teria comprado o voto do vice-presidente da Federação  de Futebol da Somália, Mohiadin Hassan por cerca de 100.000 dólares. Joseph Blatter, que sucedeu João Havelange apoia Ricardo Teixeira, sogro de Havelange. Como se pode muito bem verificar, está tudo em casa.

Esta denúncia, também, foi feita, na época, pelo presidente da UEFA, o sueco Lennart Johansson, que, em entrevista concedida à imprensa, afirmou que iria exigir uma apuração rigorosa. Segundo foi anunciado, outros dirigentes receberam dinheiro na véspera das eleições para votarem no suiço, Joseph Blatter.
A Copa  de 2010 ficará, certamente, na História do Futebol, como a que apresentou o futebol mais medíocre de todos os tempos. E após a eliminação do Brasil, os abutres da imprensa corrupta e golpista deram início a uma grande badalação do treinador Luiz Felipe Scolari, fervoroso admirador do general assassino, Augusto Pinochet.

É lamentável que o individualismo predomine no futebol, apesar de ser um esporte coletivo. E o pior é que os poucos atletas super bem-pagos não prestigiam a sua organização de classe que é o Sindicato.

As vedetes atuais, ou melhor, esses reis sem reinado e sem coroa, que jogam no exterior, antes endeusados o tempo todo pelos veículos do monopólio  das comunicações mostraram que não jogam nada, que não valem a centésima parte do que ganham. São mais marketing do que outra coisa, menos craques na verdadeira acepção da palavra.

E pensar que jogadores supertalentosos como Rubens  e Jadir do Flamengo, Ipojucan (Vasco e Portuguesa de Desportos) e o goleiro Barbosa (Vasco da Gama), Paulinho centro-avante do Botafogo morreram na miséria. Isto sem falarmos no Garrincha, o maior ponteiro direito do mundo, responsável por duas copas do mundo - 1958 e 1962.

A solidariedade no  mundo do futebol é uma palavra que só existe nos dicionários por distração dos gramáticos. E passemos  a palavra ao ex-jogador da seleção brasileira, Sócrates integrante da seleção brasileira,  de  clubes brasileiros (Corinthians e Flamengo) e até de clubes italianos. Para quem não sabe, Sócrates foi um dos criadores, juntamente, com o lateral esquerdo Vladimir da famosa democracia corintiana, na década de 60.
Em entrevista concedida á TV Brasil e TV Câmara, falando sobre a face oculta do futebol, Sócrates assim se expressou;
“A TV  vende o sonho de consumo, vende atitude, aparência, comportamento, moda. Mas é incapaz de vender Educação. E vender Esporte sem Educação é um crime. Mostram ídolos de futebol que não estudam e são um péssimo exemplo para a sociedade. E não por culpa deles apenas. O Sistema estimula que saiam da escola. A mídia revela diariamente minúcias da vida dos jogadores. Onde vivem, que carros possuem, como são suas  casas e suas famílias. Só não dizem até que ano estudaram, em quais escolas, como eram como alunos”. Por que será ?´E Sócrates responde :

 “A ignorância dos jogadores é estimulada pelo Sistema. A ele não interessam profissionais com possibilidade de crítica”. Para Sócrates, o esporte deveria ser um braço da Saúde e da Educação. Não há um dirigente que trate o esporte como viés comunitário. É tudo individualista”

Não é por acaso que se conta nos dedos jogadores conscientes, politizados. Que  eu saiba, apenas Sócrates, Vladimir, Tostão, Piazza,  Reinaldo, Ney Conceição, Afonsinho eram já politizados desde  o início de suas respectivas carreiras.

O próximo mundial será realizado no Brasil. O Campeonato Mundial é o maior espetáculo televisivo da face da Terra e movimentam vários bilhões de dólares vendidos pela FIFA  para as emissoras de TV comercializarem com seus anunciantes.

Por conseguinte, as pessoas que  lutam por um país justo, soberano, independente não podem perder esta chance de impedir que o futebol continue sendo utilizado como instrumento de dominação, alienação, exploração do povo brasileiro.
O povo brasileiro em sua maioria não quer choro nem vela pela eliminação da Copa do Mundo. Chorar pelo oitavo lugar não tem sentido. Tem sentido sim, é chorar pelo 88° lugar no mundo em Educação.

No próximo Mundial de 2014, é que eu quero ver todos de camisa amarela, indo para as ruas  participar de manifestações por um Brasil de todos, onde o verdadeiro campeão será o povo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.