Seguidores

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Finalmente, o futebol tratado como futebol, um mero esporte e não como "orgulho nacional"

Ontem, eu tive que almoçar na companhia de pessoas que estavam assistindo ao jogo da "seleção" contra Belarus (ou Bielo-Rússia, se preferirem), nos Jogos Olímpicos de Londres.

Não sei dizer se a ausência de um locutor histérico com o Galvão e similares ou o desinteresse natural da população brasileira pelas olimpíadas, influíram, mas notei uma calma impressionante e inacreditável durante o jogo que, pelo que percebi, foi tratado como um mero esporte, como realmente é, sem a histeria, o barulho e o alienante fanatismo costumeiro em jogos dos amarelões. 

Por causa dessa tranquilidade, foi até legal assistir ao jogo, pois ele estava despido de toda desnecessária euforia irritante que transforma o futebol num compromisso cívico/social, algo que não acontecia há muito tempo. O futebol finalmente foi tratado como futebol e não como fonte de alegria postiça de quem não consegue - ou não quer - se alegrar de outra forma.

Foi bom assitir a um jogo sem locutores histéricos, sem barulho na vizinhança e sem aquele desesperado desejo de vitória, como se a vitória da "seleção" pudesse trazer uma (falsa) prosperidade a população do Brasil. Que todos os jogos possam ser assim, principalmente os da copa. 

Se bem que isso é uma utopia. A mídia e os patrocinadores, em 2014, vão fazer de tudo para que o futebol deixe de ser futebol e se torne uma histeria pseudo-patriota que levará a todos a um clima alegremente tenso, histérico e completamente alucinado, torcendo desesperadamente por uma prótese de felicidade que na verdade nunca substitui a alegria real que nunca conseguimos ter.

Parabéns a Record pelo profissionalismo e imparcialidade que fizeram uma transmissão limpa, onde locutores não fizeram papel de cheerleaders, garantindo uma transmissão digna de uma modalidade esportiva. A Band e principalmente a Globo, entusiastas das transmissões histéricas e proselitistas, deveriam aprender muito com a equipe da Record.

Esse jogo vai ficar para a história como o jogo em que o futebol foi tratado como futebol. E nada além disso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.