Seguidores

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Texto em jornal O Globo reconhece que futebol não é mais hegemônico

OBS: Apesar do claro tom de melancolia, como se o inútil fanatismo futebolístico fosse algo bastante positivo para nosso país, como uma criança que descobre que Papai Noel não existe, é o primeiro texto em um veículo das Organizações Globo que admite a decadência do mito da hegemonia e unanimidade do futebol brasileiro, sobretudo o da mitológica "seleção", considerada por muitos incautos como mais um de nossos símbolos pátrios, apesar de sua inutilidade para o desenvolvimento cotidiano de nossa população.

É um bom texto, mesmo com o tom de lamento, já que os autores, segundo o que afirmam no que foi escrito, preferissem que o fanatismo doente continuasse, como se fosse a "verdadeira felicidade" do povo brasileiro. Mas admite, mesmo tristemente, o fim da hegemonia da "seleção" no coração da população. Será o início do fim da paixão infantil pelo futebol: um sinal de amadurecimento da sociedade brasileira, que finalmente irá largar o seu brinquedinho favorito?

Que venha a democracia esportiva no Brasil e que reconheçam de uma vez por todas que futebol é apenas lazer e não melhora a vida de nenhum torcedor.

O país do futebol

Por Ronaldo Helal e Cesar Gordon - O Globo - 02/10/2011



Frequentemente escutamos e lemos na mídia o epíteto “Brasil, o país do futebol”. Repetido diversas vezes e vendido para o exterior como uma das imagens que melhor retratam o país, o epíteto merece uma investigação mais cuidadosa. Primeiro, por conter expressiva força simbólica que contribuiu para a construção da idéia de identidade brasileira. Segundo, porque até pouco tempo costumávamos rejeitar outras formas de nos reconhecer como nação. E terceiro porque, paradoxalmente, em certos momentos, o epíteto é usado com valor negativo, do tipo “este não é um país sério”.

É especialmente nas Copas do Mundo que o “país do futebol” ganha dimensão mais notável. A derrota na final para o Uruguai em 1950 e a conquista do tricampeonato em 1970 foram sentidas como derrota e vitória da própria nação brasileira. Recentemente, porém, as narrativas jornalísticas já não retratam o futebol como metonímia da nação. Os triunfos em 1994 e 2002 e os reveses em 1998, 2006 e 2010 não transcenderam o campo futebolístico e foram comemorados e sofridos como vitórias e derrotas esportivas. Comparando a situação atual com a carga emocional de 1950 e 1970 especulamos se estaríamos assistindo a um declínio do futebol como emblema da nação.

Capa do livro de Gilberto Freyre

O “país do futebol” foi uma construção social realizada por jornalistas e intelectuais em um momento de consolidação do “estado-nação”, acompanhada por formulações acadêmicas sobre a sociedade. Na obra clássica de Gilberto Freyre, Casa Grande e Senzala, de 1933, a mistura racial passa a ser entendida como um valor positivo e força maior do povo brasileiro. Dentro do projeto nacionalista e integracionista do Estado Novo, esta forma de entender a cultura brasileira se consolida. Mário Filho, um dos fundadores do nosso jornalismo esportivo, foi fundamental nesse uso do futebol como meio de construir uma ideia de nação. Filho era amigo de Freyre, que prefaciou sua obra mais conhecida, O Negro no Futebol Brasileiro, onde a junção do futebol com a nação é evidente. A paixão pelo futebol é um fenômeno que ocorre em diversos países do mundo. O que nos diferencia, talvez, é a forma como nos utilizamos dele como matriz ideológica de nossa identidade imaginada.
Capa do livro de Mário Filho

Capa do livro de Mário Filho

Não negamos a força dessa representação, tampouco sua eficácia simbólica, mas questionamos seu papel nos dias de hoje. As vitórias e derrotas da seleção em Copas do Mundo ainda produzem celebrações e tristezas coletivas. No entanto, não são mais vividas como vitórias ou derrotas da nação brasileira como um todo. A seleção não é mais a “pátria de chuteiras” nos termos de Nelson Rodrigues, que cunhou e imortalizou a expressão. Há um conjunto complexo de razões para isso. E haverá os que lamentam e os que celebram. Mas seguramente o processo de consolidação da democracia e da organização da sociedade civil, nas últimas décadas, tem influência no declínio da pátria de chuteiras.

A modernização do país, a expansão do consumo e a segmentação das camadas médias refletem-se nas preferências esportivas. O futebol não reina mais absoluto, dividindo suas glórias com outros esportes. As identidades regionais e clubísticas também sobressaem. Hoje, notamos que alguns torcedores preferem ver o seu time campeão brasileiro do que a seleção ganhar a Copa.

Resta saber como os brasileiros irão se comportar diante de um evento como a Copa do Mundo organizada no país. Seremos testemunhas de um resgate simbólico de um nacionalismo exacerbado ou a espetacularização do evento nos moldes do capitalismo do século XXI diluirá a identificação nacional?

De todo modo, a sensação é que tão importante quanto a conquista do Hexa, será demonstrar nossa capacidade de organizar um evento desta grandeza dentro de um espírito republicano e com transparência democrática.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.