Pular para o conteúdo principal

Brasil pode perder a Copa de 2014 para a Inglaterra

ESPREMENDO A LARANJA: A matéria abaixo é de maio de 2010, antes da copa que levou a África do Sul à falência. Mas como o que o texto que relata ainda está acontecendo agora, achei bom colocar aqui hoje.

Pois, do jeito que as obras estão atrasadas e sugando dinheiro atrás de dinheiro, é cada vez mais visível a incompetência das autoridades brasileiras para a realização dessa copa de 2014. Era melhor entregar a copa para um país mais evoluído, com população mais esclarecida, com dinheiro em cofres e infra-estrutura pronta para servir ao evento.

Lembrando que os ingleses, por mais fanáticos que sejam, pelo menos sabem que futebol é apenas um esporte. Do contrário que os brasileiros, que acham que futebol é "patriotismo", jogador de futebol é "herói" e esporte é "cidadania" e "educação". Em matéria de fanatismo imbecil, ninguém ganha dos brasileiros.

Brasil pode perder a Copa de 2014 para a Inglaterra

02.05.2010 - Blog do JJ - Abril - com informações da revista Veja

A Copa de 2014 pode ir para a Inglaterra, no Plano B da FIFA, em retaliação ao fato de que o Brasil não iniciou ainda nenhum das suas obras e está completamente atrasado nos compromissos assumidos com a entidade.

Em oitenta anos de Copa do Mundo, dezesseis países já sediaram o evento. Apenas quatro experimentaram a oportunidade de fazê-lo de novo. Em outubro de 2007, o Brasil foi escolhido como o quinto país a ter o privilégio de receber pela segunda vez o maior espetáculo esportivo do mundo. Em dois anos e meio de preparação, porém, o que deveria ser motivo de euforia aos poucos vai se transformando numa fonte crescente de preocupação.

A quatro anos do início do campeonato, a única realização concreta até hoje foi a escolha das doze cidades-sede – e nem isso ainda está devidamente definido. As obras de infraestrutura não começaram e os estádios só existem nas maquetes. Pelo cronograma imposto pela Fifa, as arenas já deveriam estar sendo erguidas desde janeiro passado. Como nenhum tijolo foi movido, prorrogou-se o prazo para março. Mas, de novo, nada aconteceu. O derradeiro "limite" – também não levado a sério pelos organizadores – termina nesta semana. A Fifa, preocupada, enviou um alerta ao governo sobre a existência de um plano de contingência. Se o Brasil continuar descumprindo as metas e os prazos estabelecidos pela entidade, a Inglaterra já estará pronta e preparada para receber a Copa de 2014.

O risco de o Brasil pagar o maior mico da história dos mundiais – até hoje nunca houve um caso de descredenciamento às vésperas da competição – é muito baixo, mas os alertas emitidos devem ser levados em conta. A azáfama da Copa da África do Sul corre o risco de se repetir no Brasil. A advertência da Fifa funciona como estratégia de pressão. A mesma tática foi utilizada para acelerar os preparativos na África do Sul em 2008, dois anos antes do primeiro jogo, quando também foram constatados atrasos no cronograma de obras e, naquela ocasião, se sugeria a Alemanha como alternativa. Hoje, a África está pronta para realizar o Mundial. No caso do Brasil, a revelação do plano B tem o objetivo imediato de tentar engajar na marra as autoridades envolvidas. Com uma economia cinco vezes maior que a do país africano e sem as mesmas dificuldades de captar investimento, o Brasil está muito atrasado. Em 2006, com dois anos de preparação, os sul-africanos já haviam começado a construção de dois estádios, inclusive o Soccer City, o palco da abertura e da final do campeonato. No Brasil, para não dizer que tudo se encontra no marco zero, Mato Grosso é o exemplo de agilidade. Já começou a erguer os tapumes do canteiro de obras do futuro estádio.

O problema é que a Copa do Mundo não sairá do papel sem dinheiro público, segundo já admitiu a organização, o que necessariamente envolve políticos e a velha politicagem – a vilã do atraso do cronograma. Dos doze governadores que receberão as seleções em 2014, cinco estão disputando a reeleição, seis se esforçam para eleger seu sucessor e ainda há o caos político no Distrito Federal, uma das subsedes, que está sob a ameaça de intervenção federal. "Os governadores só vão encarar a Copa como problema deles depois da eleição", disse a VEJA um técnico ligado ao comitê organizador do Mundial. E acrescentou: "Por enquanto, a Copa nada mais é do que uma peça importante de promoção dos políticos junto ao eleitorado, muito útil para angariar a simpatia financeira de empreiteiras interessadas na construção dos estádios e nas obras de infraestrutura". Pesa também o terrível costume dos governantes de não iniciar uma obra que possa ser capitalizada por um adversário. Os organizadores, por tudo isso, desconfiam que a preparação para o Mundial começará apenas a partir de janeiro do ano que vem. "Não existe plano B nenhum. A Copa será no Brasil", garante Rodrigo Paiva, assessor da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e membro do comitê organizador.

O governo federal soube da existência do plano B através de rumores que começaram a circular em Brasília após a visita de inspetores da Fifa em setembro de 2009. O recado direto, porém, chegou ao Ministério do Esporte por parlamentares e pessoas ligadas à própria CBF. A pedido do presidente Lula, o ministro Orlando Silva trocou uma eleição certa para a Câmara dos Deputados pela hercúlea missão de centralizar as ações da Copa. Diante da advertência e da aproximação do derradeiro prazo, o governo decidiu mostrar que não está parado. O primeiro sinal foi anunciar que as cidades-sede do Mundial podem ser reduzidas de doze para oito. "Nosso plano é eliminar quem não cumprir a data", advertiu o ministro do Esporte. Surtiu algum efeito. Na semana passada, a Bahia, assim como Mato Grosso, anunciou o início das obras de seu estádio – ou, mais precisamente, da instalação dos tapumes do canteiro de obras.

Embora, por enquanto, não represente mais que um simples blefe, o plano B para a Copa do Mundo de 2014 está muito à frente do plano A. Com estádios novos e modernos, a Inglaterra tem pelo menos três arenas em total condição de abrigar os jogos mais importantes. Wembley, a principal delas, tem capacidade para 90.?000 torcedores. Em fase de preparação para a Olimpíada de 2012, os ingleses já contam com toda a estrutura para receber os turistas. Os estádios foram, inclusive, inspecionados e aprovados por uma comissão formada pela entidade que administra o futebol inglês. Um detalhe: o novo Wembley foi inaugurado quatro anos e meio depois do início das obras e consumiu 2,5 bilhões de reais. O Brasil tem menos tempo e muito menos dinheiro que isso para erguer um estádio à altura.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Com Futebol, Esquerdas fazem o jogo da Direita

Quem visitou nesta semana os sites de esquerda percebeu que o futebol passou a ser o principal assunto na mídia alternativa. Pior: do mesmo jeito que é feito na mídia corporativa, com os mesmos pontos de vista. E ainda pior: com direito a exaltações ao direitista Neymar, tucano assumido e frequentemente usado como prova de que a meritocracia "dá certo". Só faltava a esquerda pedir para Neymar mudar de lado na orientação política. O que não deve demorar para acontecer.
A Direita é que foi responsável por criar e desenvolver o fanatismo futebolístico. Goste ou não da realidade, o fato é que o gosto pelo futebol foi ensinado através da mídia corporativa e consagrado pelos costumes sociais. Inclusive os que seguem ideais de esquerda e vivem falando mal da mídia corporativa tem que admitir isso.
O futebol tem características típicas de direita. É um trampolim seletivo para alguns jovens pobres, que com o tempo, graças a subida rápida de classe social, passam a exaltar ideais de d…

Torcida pela derrota da "seleção"

Se você quer que o falso patriotismo de copa acabe e que o futebol volte a ser curtido apenas como esporte e não como "dever cívico", cante conosco:

- O AMARELÃO VAI DANÇAR! O SOSSEGO VAI VOLTAR!

Para que o Brasil volte a se desenvolver, eliminando problemas e desigualdades!

Além de nos livrar daqueles barulhos infernais das cornetas e dos berros da torcida que fica insana nesta época de copa.

Brazilians: GO HOME!!!

O show de imaturidade dos portais de esquerda brasileiros

Muita gente vai se sentir ofendida com esta postagem. Mas se repararmos que ainda somos uma população jovem com apenas 518 aninhos de idade, vamos entender a nossa superestimação a algo que foi criado para ser uma reles forma de lazer mas que é tratado como o nosso motivo maior de orgulho e urgente ato de salvação cívica de um país.
Não somos o único povo fanático por futebol, mas somos o único que faz a confusão entre este tipo de esporte e a própria pátria, a ponto de ver importância política no mesmo, como quem enxerga uma cabeleira em uma lisa casca de ovo. 
Somos infantis e ainda preferimos ser patriotas de brincadeirinha do que ser patriota de verdade. Até porque ser patriota de mentirinha é mais fácil e tranquilo. A história mundial comprova que patriotas de verdade só vivem se ferrando. O verdadeiro patriotismo exige uma luta comparável a carregar um arranha-céu de mais de 100 andares pelas costas. Melhor ser patriota de mentirinha.
Brincar é muito bom, mas não numa época em …